Como escolher um bom plano de saúde

Como escolher um bom plano de saúde

Escolher um plano de saúde nem sempre é tarefa fácil. Com a grande variedade de serviços disponíveis no mercado e com a variação de taxas, coberturas e adicionais oferecidos, é fundamental conhecer bem a operadora antes de contratá-la.

Em primeiro lugar, para conhecer bem cada operadora é imprescindível consultar os dados disponibilizados pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Em seguida devemos verificar a quantidade de reclamações que o plano tem no PROCON local.

Após esse processo é necessário definir qual é a modalidade do plano a ser contratado. Sendo que as principais modalidades disponíveis atualmente são:

Plano de saúde individual ou familiar: É o tipo de plano de saúde contratado diretamente com a operadora.
Plano de saúde coletivo: Categoria de planos que é subdividida em dois grupos:
A) Os empresariais, que prestam assistência aos funcionários da empresa contratante devido ao vínculo empregatício ou estatutário;
B) Os coletivos por adesão, que são contratados por pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, como conselhos, sindicatos e associações profissionais.

Em ambos os casos é preciso ter em mente que ao aderir a um contrato de plano de saúde coletivo, é como se você concordasse implicitamente com todas as regras impostas pela empresa, sindicato ou associação nele representado.

Dessa maneira esta instituição terá legitimidade para representar seus interesses junto às operadoras, podendo definir políticas de preço e de cobertura em seu nome. Por isso os planos de saúde coletivos têm flexíveis do que aquelas aplicadas aos planos de saúde individuais ou familiares.

Um exemplo disso é que a ANS limita o percentual de reajuste das mensalidades nos planos individuais, enquanto no caso dos planos de saúde coletivos a agencia apenas acompanha os reajustes de preços que são negociados diretamente entre a operadora que comercializa o plano e a empresa, conselho, sindicato ou associação profissional que fez sua contratação.

Além da modalidade do plano também é preciso ficar atento aos seguintes itens:

Coberturas: Verifique se o plano de saúde ofertado possui as coberturas obrigatórias de acordo com a legislação vigente. Pois independente de ser individual ou coletivo, todos os planos têm obrigações legais a seguir.

Carências: Um ponto importantíssimo a ser avaliado é o tempo de carência que seu plano oferece. Esse tempo se refere ao período em que você terá que esperar para ter atendimento em determinado procedimento. Todas estas informações devem constar no contrato, o qual você só deve assinar após tirar todas as dúvidas.

Nessa parte é importante dar atenção especial aos itens que falam sobre carência. Afinal de contas é muito importante saber quanto tempo você terá de esperar para poder utilizar todos os serviços oferecidos pelo plano.

Rede Credenciada: Estudar a abrangência da rede de atendimento de um plano evita surpresas desagradáveis, como por exemplo descobrir durante uma emergência que não existe rendimento nos locais próximos à sua residência.

Exclusões: Esteja atento a tudo o que seu plano de saúde não cobre. Isso porque na hora de fazer a oferta é comum que as operadoras foquem nos itens cobertos, fazendo com o que o consumidor deixe passar desapercebido os itens excluídos. Este é quase sempre presentes nas letrinhas miúdas dos contratados atrás de termos técnicos e confusos. Por isso é sempre bom ficar atento.

Abrangência: Diferente da rede de atendimento abrangência é a localização geográfica aonde seu plano de saúde atua. Alguns planos de saúde são regionais, outros Estaduais, outros têm cobertura nacional, podendo te atender em qualquer localidade do Brasil. Já alguns planos mais sofisticados – e mais caros – possuem também atendimento internacional. Para verificar isso é importante que a área de abrangência conste no contrato de maneira clara e inequívoca.

Saber dessas informações pode ser crucial pois isso facilita que o consumidor tome a melhor decisão na hora de fazer a contratação.

Nessas horas é preciso analisar de maneira cautelosa, e fazer o mapeamento das necessidades de cobertura, assim como a localização e a quantidade de médicos, clinicas e hospitais oferecidos pela rede a ser contratada. Para isso você pode contar com a ajuda de um corretor de planos de saúde ou mesmo de um médico da sua confiança.

Por fim, vale ressaltar que a própria ANS disponibiliza em sua página um guia com 4 tutoriais que podem te ajudar na escolha. Para se informar basta acessar o endereço http://www.ans.gov.br/planos-de-saude-e-operadoras/contratacao-e-troca-de-plano/dicas-para-escolher-um-plano.

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *