O inverno e suas doenças típicas

O inverno e suas doenças típicas

A chegada do inverno traz com sigo a queda nas temperaturas e também o a preocupação com o aumento da ocorrência das doenças típicas dessa época do ano.

Mas ao contrário do que muita gente pensa o que facilita o adoecimento nessa época não é o frio em si, mas sim a propagação de vírus e bactérias. Sendo que essa propagação acaba por ocorrer com maior facilidade nos meses de frio dada a tendência de que a população passe mais tempo em locais fechados e com alta concentração de pessoas.

Devido ao fato de apresentarem sintomas muito parecidos essas doenças são facilmente confundidas entre si. Além disso o contágio na maioria das vezes se dá por via respiratória e contato direto, fazendo com que as pessoas confundam ainda mais as causas e os sintomas.

De uma maneira geral são as crianças e os idosos são os que mais sofrem nesta época do ano, logo é sempre bom tomarmos alguns cuidados para nos prevenirmos das doenças típicas do inverno. Para isso é importante sabermos suas características e quais os cuidados necessários para seu tratamento adequado.

Abaixo seguem alguns exemplos, além de dicas de prevenção de tratamento:

Resfriado: Gripes e resfriados têm sintomas muito semelhantes, embora sejam doenças diferentes. O resfriado costuma durar em torno de uma semana, mas pode se prolongar por até duas semanas, causando coriza, obstrução das vias respiratórias, febre baixa, dor de cabeça, dor de garanta, além de tosse e espirros.
O resfriado é transmitido pelo contato direto entre pessoas. Para aliviar os seus sintomas, o tratamento é feito com analgésicos e antitérmicos. Como prevenção, é recomendável lavar bem as mãos e o nariz.

Gripe: Apesar dos sintomas semelhantes, a gripe e o resfriado são doenças diferentes. A gripe, causada pelo vírus influenza, é mais grave que o resfriado e costuma durar mais.
Além de ter os mesmos sintomas já descritos nos resfriados o vírus da gripe também provoca febre alta, dores pelo corpo e fadiga.
Caso não seja diagnosticada e tratada de forma correta uma gripe pode evoluir para quadros mais graves como pneumonias e comprometimento dos brônquios.
Para prevenir o contágio, é aconselhável evitar aglomerações, principalmente em lugares fechados, lavar as mãos e o nariz com frequência e tomar a dose anual da vacina contra a gripe.

Pneumonia: A pneumonia é uma infecção aguda dos pulmões que pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos. Pode surgir após uma gripe ou crise de bronquite severas.
Por causa de usa origem o tratamento é feito à base de antibióticos, os quais vale lembrar devem ser ministrados apenas sob prescrição médica.
Para a prevenção dessa doença é aconselhável lavar as mãos com frequência, não fumar e – no caso das crianças – sempre manter em dia a vacinação.

Catapora: Catapora é o nome pelo qual ficou popularmente conhecida a varicela. Trata-se de uma enfermidade viral que pode acometer não só crianças mas também bebês e adultos.
Seus casos costumam aumentar no inverno justamente porque as crianças (que ainda não desenvolveram imunidade à doença) tendem a ficar mais aglomeradas, geralmente dentro de salas de aula fechadas ou em espaços internos.
Os principais sintomas da catapora são febre, mal-estar, pontinhos vermelhos e vesículas (bolhas)  pelo corpo e muita coceira.
A melhor maneira de se prevenir contra a catapora é através da vacinação, sendo que de acordo com o Calendário da Sociedade Brasileira de Imunizações pode ser feita a partir dos 12 meses de idade.

Sinusite: É a inflamação dos seios nasais causada por alergias, infecções virais ou bacterianas que provocam dor de cabeça, inchaço nas pálpebras, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos.
O tratamento pode ser feito com corticoides, descongestionantes e antibióticos para os casos de infecção bacteriana.

Otite: Tão conhecida quanto a sinusite a otite – ou dor de ouvido – é causada por vírus ou bactérias que infectam a garganta e migram até o ouvido provocando dor e febre, é bastante comum em crianças.
Ela também pode gerar a inflamação dos seios nasais e sintomas similares ao da sinusite como dor de cabeça, inchaço nas pálpebras, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos.
Seu tratamento é feito com antibióticos e analgésicos e a prevenção pode ser feita mantendo limpas as vias aéreas.

Rinite – Já a rinite é causada por irritação ou inflamação da mucosa do nariz, sendo esta uma das doenças alérgicas mais comuns.
A rinite causa espirros, coriza, coceira e entupimento do nariz.
O seu tratamento é feito com medicamentos e vacinas antialérgicas.

Bronquite: É a inflamação dos brônquios que impede a chegada do ar aos pulmões. Por comprometer os pulmões trata-se de uma doença grave que pode levar o paciente a internações e até mesmo a complicações fatais.
Em geral a bronquite tem sintomas como tosse seca com chiado, seguida por tosse com catarro.
Para o tratamento utilizam-se vaporizadores, descongestionantes nasais, analgésicos e hidratação.

Asma: Além da bronquite, outra doença que também afeta os pulmões é a asma. Essa doença é mais comum entre as crianças, embora também ocorra em adultos, tratando-se de uma inflamação dos pulmões e das vias aéreas.
Suas principais características são os chiados no peito, a dificuldade para respirar, tosse e sensação de falta de ar.
O tratamento é feito com broncodilatador e deve-se eliminar a poeira doméstica como um dos fatores de prevenção.

Amigdalite: É uma inflamação das amígdalas causada por vírus ou bactérias. Os sintomas são dor de garganta, dor ao engolir, febre e mau hálito. O tratamento é feito com anti-inflamatórios. Como prevenção, evite mudanças bruscas de temperatura.

Alergias: Por fim, as alergias são reações causadas por repulsa do organismo a diversos elementos como pelos de animais, mofo, tipos de tecidos, poeira, perfumes, entre muitos outros.
Os principais sintomas para a identificação de alergias são espirros, coceiras e tosses.
Já o tratamento deve ser especifico para cada caso e a melhor prevenção é manter sempre os ambientes limpos e ventilados, além de evitar o contato com as substancias que desencadeiam as alergias em cada paciente.

 

 

 

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *