Saiba a diferença entre miopia, astigmatismo e hipermetropia

Saiba a diferença entre miopia, astigmatismo e hipermetropia

Entre os problemas mais comumente encontrados nos consultórios de oftalmologia estão a miopia, o astigmatismo e a hipermetropia. Estima-se que 3 em cada 4 pacientes que procuram um oculista tenha um desses três problemas, por isso é preciso conhece-los melhor e ficarmos atentos a seu diagnóstico.

Ambas as doenças podem surgir logo após o nascimento, devido a um trauma ou lesão ou por causa do envelhecimento natural do organismo.

Em uma pessoa com a visão normal os raios de luz passam pela córnea e quando chegam à retina convergem-se em um mesmo ponto para formar a imagem. Porem para quem tem problemas de visão esse processo não acontece dessa forma, podendo ocorrer várias distorções durante o percurso da luz até que ela se transforme em uma imagem em nosso cérebro.

Cada uma dessas pequenas distorções é diagnosticada e tratada de forma diferente, veja a seguir:

Miopia
É o mais frequente ente os erros de refração da luz, afetando a visão a distância. Essa patologia ocorre porque a imagem visual não é focada diretamente na retina, mas à frente da mesma.

 

Sua causa pode ter origem porque o globo ocular é mais alongado do que o ideal, ou mesmo porque o cristalino tem uma distância focal curta.
Alguns de seus sintomas são a visão embaçada a distância, a dificuldade para identificar objetos afastados,  para assistir a filmes, e até mesmo a dificuldade para dirigir automóveis
Nos casos de Miopia a visão parece melhorar quando o paciente fecha um pouco os olhos, o que leva a muitas pessoas a conviverem com a doença por anos sem se incomodar em procurar um tratamento adequado.

 

Entretanto adiar a ida ao médico pode ser um grande erro, pois a miopia não corrigida devidamente pode provocar dores de cabeça, lacrimejamento ou tensão ocular.

 

Os exames usados para diagnosticar corretamente a a doença são o teste de acuidade visual e a tonometria. Sendo que o teste de acuidade visual mede como a pessoa consegue ver em várias distâncias. Já na tonometria um instrumento mede a pressão dentro do olho.

 

Ao procurar um oftalmologista ele poderá corrigir a Miopia indicando o uso de óculos com lentes divergentes, ou pode sugerir o uso de lentes de contato, chegando por fim – em casos mais drásticos – a indicar a cirurgia.

 

Em caso de necessidade de cirurgia é preciso saber que a cirurgia refrativa é a intervenção dos olhos mais conhecida e mais realizada. Por tanto é um procedimento considerado simples, que dispensa a necessidade de internação e oferece baixíssimo risco ao paciente.
Durante essa cirurgia é remodelada suavemente a superfície da córnea, modificando sua curvatura para corrigir seus erros.

 

Hipermetropia

 

A Hipermetropia é um erro de refração da luz que faz com que a imagem seja focada atrás da retina. Dessa forma a capacidade refratária do olho é alterada quando comparada com a de uma pessoa com a visão normal.

 

A hipermetropia causa dificuldade para enxergar objetos próximos e principalmente para leitura de textos.

 

Se o paciente for jovem ele costuma ter boa visão de longe mesmo com hipermetropia, pois se seu grau não for muito elevado é naturalmente corrigido pelo aumento do poder do cristalino, em um processo chamado de acomodação.
Entretanto com o avanço da idade esta capacidade diminui e o paciente passará a ter dificuldade na visão de perto e posteriormente de longe.

 

A Hipermetropia ocorre quando o globo ocular possui menor comprimento ou devido a córnea ou cristalino possuírem uma menor curvatura. E seus sintomas são a visão embaçada mais para perto, queixas de dores de cabeça ou cansaço ocular, sensação de peso ao redor dos olhos, ardor, vermelhidão conjuntival e lacrimejamento ocular.

 

O tratamento para essa doença também é relativamente simples, pois ela pode ser diagnosticada com os mesmos métodos utilizados para o diagnóstico da Miopia, e pode ser trata também com o uso de óculos, lentes de contato ou cirurgia.
O único detalhe é que nesse caso as lentes dos óculos devem ser convergentes (ao contrário das lentes divergentes usadas na Miopia). E também é preciso ficar atento ao fato de que em caso de cirurgia para Hipermetropia pode ser que o paciente demore alguns dias a mais para se recuperar do que nos casos de Miopia.

 

Astigmatismo

O Astigmatismo por sua vez é das três doenças citadas neste artigo aquela que talvez seja a menos conhecida. Trata-se de uma doença ocular causada por irregularidade da córnea e o seu efeito é a distorção de imagem, pois os raios de luz não chegam ao mesmo ponto na retina.

 

Suas causas decorrem da diferença de curvatura nos meridianos principais da córnea ou cristalino que resultam em diferentes profundidades de foco e distorcem a visão tanto de longe quanto perto.

No Astigmatismo o paciente vê a imagem fica borrada e algumas queixas são frequentes, tais como dor de cabeça, sensação de ardor e hiperemia conjuntival (olho vermelho).

E seus tratamentos podem incluir também o uso de óculos de lentes cilíndricas, o uso lentes de contato ou a própria cirurgia.

 

Bom, agora que você já sabe a diferença entre a miopia, o astigmatismo e a hipermetropia também é necessário aprender a escolher um bom especialista que possa diagnosticar corretamente se você sofre de algum desses casos. Para isso nós temos também um artigo falando sobre o tema que vai te ensinar a selecionar os melhores profissionais pertinho de você.

 

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *