Slow beauty: A Beleza que vem da Natureza

Slow beauty: A Beleza que vem da Natureza

 

A preocupação com o ritmo frenético da vida moderna e com a sustentabilidade do consumo fez com que profissionais ligados aos spas e à vida orgânica e mais consciente passassem a procurar por novas maneiras de tratar da beleza de suas clientes e ao mesmo tempo garantir a sustentabilidade das comunidades locais e do meio ambiente.

Foi assim que surgiu na década de 90 nos Estados Unidos Slow Beaty, movimento que ganha cada vez mais força em terras brasileiras Brasil como uma resposta para quem quer adotar um estilo de vida mais natural sem abrir mão dos cuidados com a beleza.

As idealizadoras pregam hábitos como ter uma coleção de roupas e assessórios mais enxuta, o uso dos produtos até que eles realmente percam suas propriedades, o reuso daquilo que puder ser reaproveitado e a produção de menos lixo.

Além disso a proposta também incentiva as pessoas a criarem seus próprios cosméticos e produtos naturais, através de ingredientes geralmente fáceis de encontrar na nossa cozinha. A ideia é usar o máximo de coisas encontradas na natureza sem ter que recorrer a um monte de recursos tecnológicos e químicos, e também sem ter de gastar um monte de dinheiro para ter uma pele e cabelos saudáveis.

O Slow Beauty adota princípios semelhantes aos do slow food – promover uma maior apreciação da comida, melhorar a qualidade das refeições e uma produção que valorize o produto, o produtor e o meio ambiente

Ele representa um retorno às origens, um resgate de como as nossas ancestrais cuidavam da beleza. Busca o uso de ingredientes vegetais na forma mais pura possível, mais próxima de como são encontrados na natureza, assim como o uso de cosméticos naturais, provenientes do comércio justo, feitos sem crueldade animal.

A adoção do slow beauty não implica em deixar de lado os cuidados com a beleza, em ficar desleixada. A ideia é desacelerar e mudar para o cuidado com o equilíbrio do corpo, e assim alcançar alguns benefícios como por exemplo:

  1. Diminuir a quantidade do consumo

Embora alguns dos produtos orgânicos e naturais sejam mais caros, a longo prazo são mais econômicos. Adquirir uma grande quantidade de produtos não é sinônimo de qualidade, pois os resultados obtidos por meio de cosméticos naturais e orgânicos tendem a ser mais duradouros e, dessa forma, compramos melhor e com menor frequência.

  1. Valorizar a beleza natural (e brasileira!)

De nada adianta a indústria da beleza dizer o que usar e o que comprar sem que respeite e valorize o que nós temos de melhor. Adotar um estilo de vida slow beauty é amar quem você é e trabalhar todo o seu potencial individual.

  1. Da onde vem? Pra onde eu vou?

Produtos convencionais podem entregar performance imediata, mas prejudicam muito mais a longo prazo. A utilização de produtos com parabenos, óleo mineral, metais pesados e outros provoca danos para o meio ambiente tanto quanto para sua saúde, além de causar sofrimento desnecessário aos animais pois a grande maioria dos produtos vendidos pela indústria de beleza atual ainda são testados em animais e possuem ingredientes de origem animal. Conhecer a procedência dos ingredientes é valorizar sua vida e a de todos ao seu redor.

Pesquisas mostram que o mercado de produtos de beleza naturais cresce acima 25% ao ano no mundo todo. E uma pesquisa do Laboratório de Química da Universidade Estadual Paulista, de 2011, mostra que o percentual de vendas de cosméticos naturais no Brasil é maior do que o aumento de vendas das fórmulas tradicionais, demonstrando que aqui também este mercado está em expansão.

Uma pesquisa divulgada em 2012 pelo Data Popular, mostra por exemplo que as mulheres estão se preocupando mais com os produtos de beleza. Foram gastos com beleza no primeiro semestre de 2012 R$ 53,5 bilhões no Brasil. Os dados mostram também que 63,7% das mulheres dão prioridade mais para a qualidade do que para o preço.

Então, se você está pensando em aderir a essa moda e começar a usar produtos e tratamentos de beleza mais sustentáveis, essa é a hora certa!

 

 

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *