Dia Nacional da Imunização

Dia Nacional da Imunização

Nessa sexta-feira 9 de Junho comoramos o Dia Nacional da Imunização, dos eventos mais importantes do calendário médico brasileiro.

 

A imunização foi o evento da medicina que contribuiu decisivamente para o aumento da expectativa de vida da humanidade. Juntamente como a descoberta do antibiótico e o advento saneamento básico, pudemos ter aquilo que é hoje conhecido com conjunto de medidas profiláticas elementares.

Graças a vacinação doenças como a Varíola foram erradicadas do mundo. E outras doenças como a Poliomielite, a Rubéola, o Sarampo e Difteria tiveram seus números extremamente reduzidos, já se falando em uma possível erradicação nas próximas décadas.

Acompanhado o avanço global trazido pela vacinação, nas últimas décadas o Brasil também conseguiu erradicar doenças como a varíola, cujo último caso foi registrado em 1971, e a poliomielite, em que teve seu último caso em território nacional no ano de 1989. Além disso, entre 2010 e 2014, não foram confirmados casos de rubéola no País.

Esse excelente resultado sem sombra de dúvidas é reflexo da imunização gratuita e em massa promovida pelo Governo Federal desde 1973, quando foi criado o Programa Nacional de Imunizações (PNI) pelo Ministério da Saúde.

Por meio do PNI a população brasileira tem acesso a todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O programa foi pensado para coordenar todas as ações de imunização que eram feitas de forma descontinuada e menos abrangente, sendo hoje uma referência mundial.

Em mais de 36 mil salas de vacinação em todo o País, o PNI distribui, por ano, cerca de 300 milhões de imunobiológicos, 27 tipos de vacinas, 13 soros e 4 imunoglobulinas. O que faz com que atualmente o Brasil seja um dos países que mais oferece vacinas em todo o mundo, já que entre 2002 e 2016, a cobertura vacinal média chegou a 98% para a maioria das vacinas do calendário infantil e em campanhas.

Entre 2010 e 2015, o orçamento do PNI saltou de R$ 1,2 bilhão para R$ 2,9 bilhões, crescimento de 140%. Com o investimento em imunização, há economia em tratamentos das doenças cobertas pela vacinação, além dos possíveis reflexos causados por elas.

Já no ano de 1977 o primeiro Calendário Nacional de Vacinação trazia como obrigatórias quatro vacinas no primeiro ano de vida: a Bacilo Calmette Guerin (BCG), contra tuberculose; a vacina oral poliomielite (VOP); a vacina Difteria, Tétano e Coqueluche (DTP); e a vacina contra sarampo.

Em 2017, o calendário oferece 14 vacinas gratuitamente à população, incluindo todas aquelas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Veja a lista:

  • BCG
  • dTpa (difteria, tétano e coqueluche).
  • Dupla adulto (difteria e tétano)
  • Febre Amarela
  • Haemophilus influenzae b (conjugada)
    Rotavírus
  • Hepatite A
  • Hepatite B Penta (vacina adsorvida difteria, tétano
    Hepatite B (recombinante)
  • HPV (vírus do papiloma humano)
  • Pneumocócica, contra pneumonia
  • Tetra viral (varicela/catapora, sarampo, caxumba e rubéola)
  • Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)
  • VIP/VOP (vacina inativada e vacina oral poliomielite)

 

É por isso que neste Dia Nacional da Imunização que comemoramos nesta sexta-feira dia 9, é um lembrete não só da importância das vacinas em si, mas também da estratégia de logística e de distribuição implementada com excelência pelo Ministério da Saúde.

É por isso que nós do Blog Tá Agendado sempre lembramos aos nossos leitores a importância da manutenção do esquema vacinal em dia, utilizando todas as doses e reforços indicados independentemente da idade, do gênero ou da profissão.

Então, aproveite e confira agora a com as vacinas indicadas para todas as fases da vida no site do Ministério da Saúde.

 

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *