Saiba tudo sobre a asma e quais são seus tratamentos

Saiba tudo sobre a asma e quais são seus tratamentos

Hoje dia 11 de Junho é o Dia Nacional de Controle da Asma, e para comemorar essa data nós vamos te ensinar um pouco mais sobre o que é Asma, incluindo sua definição, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento.

 

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias respiratórias e segundo pesquisas recentes cerca de 10% da população tem em seu DNA o traço genético da asma e apresenta indícios de rinite alérgica.

A Asma nem sempre apresenta sintomas e pode aparecer em qualquer idade, sendo mais comum em crianças e idosos. A doença pode se apresentar de diversas formas, sendo mais comum a Asma do tipo lábil, variação na qual o paciente apresenta crises de falta de ar e, entre essas crises, permanece sem sintomas respiratórios. Sendo que existem também outros tipos de variação da doença como por exemplo: a Asma grave, com sinais diários e crises respiratórias frequentes; e a asma de exercício, que acorre após grandes esforços.

Os na maioria dos pacientes os sintomas mais comuns da Asma são falta de ar, chiado no peito, tosse e opressão torácica. Por isso ela é considerada uma é uma doença crônica que exige muitos cuidados.

Já de acordo com dados fornecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), há cerca de 150 milhões de asmáticos em todo o mundo. Sendo que Brasil a Asma Brônquica é considerada como a terceira maior causa de hospitalização no Sistema Único de Saúde (SUS).

Em geral a Asma Brônquica tem um bom prognóstico (expectativa de recuperação dos médicos em relação à cura da doença). Nas crianças por exemplo, ao realizar o tratamento adequado, cerca de 54% delas não terão mais a doença. Sendo que apenas em casos raros a asma pode levar à morte.

 

O que é asma brônquica?

A Asma Brônquica se dá pela redução ou obstrução no fluxo do ar respirado, devido ao edema da mucosa dos brônquios, à hiperprodução de muco nas vias aéreas e à contração da musculatura lisa dessa região.

Além disso também pode ocorrer a presença de células inflamatórias nas vias aéreas, exsudação de plasma, hipertrofia muscular, rolhas de muco e descamação do epitélio. O estreitamento das vias aéreas geralmente é reversível, de forma espontânea ou através de medicações, mas pode também tornar-se irreversível, em pacientes com asma crônica. A Asma Brônquica pode ter início em qualquer momento da vida, porém na maioria das vezes se manifesta logo nos primeiros anos da infância.

 

Quais são as causas da Asma Brônquica?

A Asma Brônquica é causada pela hipersensibilidade dos brônquios, fator que na maioria das vezes tem causas genéticas hereditárias. Assim ela pode ser desencadeada através de uma interação entre fatores genéticos e ambientais.

Ao todo, cerca de um terço dos asmáticos possui um familiar (pais, avós, irmãos ou filhos) com Asma ou com outra doença alérgica. Por outro lado, alguns fatores ambientais como alterações climáticas, contato com pólen, mofo, poeira, pelo de animais, fumaça, cheiros fortes, gripes e resfriados e ingestão de certos alimentos ou medicamentos podem atuar como precipitantes ou agravantes da enfermidade.

 

Quais são os sintomas da Asma Brônquica?

Em geral os sintomas da Asma Brônquica aparecem em ciclos com períodos de melhora e de piora. Eles se mostram através da dificuldade respiratória, dor ou ardência no peito, e da sibilância – popularmente conhecida como chiado no peito.

Além disso durante as crises asmáticas, quase sempre há tosse, expectoração com aspecto de “clara de ovo”. Esses sintomas podem aparecer a qualquer momento do dia, mas tendem a predominar pela manhã ou à noite. Quando se tornam especialmente intensos, de forma aguda, constituem o que se costuma designar de “crise de asma”.

 

Como diagnosticar a Asma Brônquica?

O diagnóstico da asma é principalmente clínico, baseado nos sinais e sintomas referidos pelo paciente. Ao exame físico o médico pode notar, principalmente durante as crises, a presença de sibilos nos pulmões. Eles podem não existir nas pessoas asmáticas que estiverem fora das crises e o exame físico pode, inclusive, ser completamente normal. Exames complementares podem auxiliar no diagnóstico. Dentre eles, a radiografia do tórax, exames de sangue e a espirometria, que identifica e quantifica a obstrução ao fluxo de ar e o teste de bronco-provocação, com substâncias pró-inflamatórias. O exame mais importante, no entanto, é a análise dos valores exalados de óxido nítrico, os quais permitem também avaliar a resposta ao tratamento.

 

Como tratar a Asma Brônquica?

Podemos dividir o tratamento da Asma Brônquica em duas partes diferentes. Na primeira e mais emergencial deve-se socorrer o paciente em crise, fazendo os sintomas cessarem. Já na segunda fase trata-se a doença em si, para que não haja mais crises de Asma futuramente.

  1. Tratar a crise de Asma

Nessa fase as medicações dadas ao paciente durante as crises e situações de emergência são diferentes das usadas para tratar a doença básica. No tratamento dos ataques graves usam-se normalmente corticosteroides, agonistas adrenérgicos inalados e anticolinérgicos. Além disso, o paciente deve procurar manter a calma, permanecer em ambientes arejados, falar pouco e usar roupas largas, desde que não sejam de lã. Se as crises asmáticas durarem de dois a três dias os alvéolos ficam saturados de gás carbônico e isso prejudica as trocas gasosas pulmonares, podendo repercutir negativamente em todos os órgãos.

  1. Tratar da Asma

Após tratar a crise o próximo passo é tratar da doença em si. O paciente asmático precisa manter certos cuidados com o ambiente, além de usar medicações e utilizar certas técnicas fisioterapêuticas, que se mostram bastante eficientes. Os medicamentos principais são de duas classes: os broncodilatadores e os anti-inflamatórios.
O broncodilatadores dilatam as vias aéreas e devem ser utilizados quando o asmático está com falta de ar, chiado no peito ou crise de tosse.
Já os anti-inflamatórios, por sua vez, devem ser utilizados principalmente para evitar e prevenir as crises agudas. Essas duas classes de medicações são recursos de manutenção e podem ser usados de várias formas: nebulização, spray, comprimido, xarope.

 

Como prevenir a Asma Brônquica?

Infelizmente atualmente ainda não existe uma maneira definitiva de se prevenir a Asma Brônquica uma vez que ela está presente em fatores genéticos. Mas é possível prevenir o desencadeamento da Asma.

Para fazer essa prevenção o paciente asmático pode utilizar corticosteroides, beta2 agonistas de longa duração e antileucotrienos. Além disso ele deve ter um bom controle dos ambientes onde passar muito tempo. Algumas ações simples podem evitar o desencadeamento de crises respiratórias, como por exemplo:

  • Evitar o acumulo de pó
  • Manter a umidade do ar através de umidificadores ou mesmo de uma bacia com água no ambiente
  • Evitar contato com substâncias químicas, como tinta, desinfetantes e produtos de limpeza
  • Evitar contato com objetos de pelúcia e outros que facilitem o acúmulo de poeira, bem como cães e gatos
  • Deixar a casa aberta durante o dia para que entre sol
  • Consultar um médico sempre que perceber alguma alteração no quadro clínico
  • Não fumar e não ficar próximo a pessoas que estão fumando.

 

Além disso é fundamental que os pacientes não interrompam o tratamento contra a Asma, e que procurem um médico regularmente e sempre que notarem algum tipo de mudança nos sintomas.

 

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *